• COMO É SER UM MORCEGO? – THOMAS NAGEL:

    Por: Juliana Vannucchi Colaboração: Eduardo Faria “What is it to be like a bat?” ou “Como é ser um morcego?” é um artigo publicado por Thomas Nagel em 1974. O texto se tornou um dos principais pontos de referência para os estudos da Filosofia da Mente e está, portanto, diretamente relacionado com o problema “mente

  • “O PRÍNCIPE” – NICOLAU MAQUIAVEL: UMA INTRODUÇÃO:

    Por: Juliana Vannucchi “É melhor ser temido do que amado, se não for possível ser os dois”. – Maquiavel. Nicolau Maquiavel nasceu em 1469, em Florença, na Itália. Quando tinha 29 anos, deu seus primeiros passos no mundo da política e se tornou secretário do governo republicano de sua cidade natal. Nessa época, o país

  • O QUARTO DE MARY – FILOSOFIA DA MENTE:

    Por: Juliana Vannucchi Colaboração: Eduardo Faria “Mary’s Room” ou “O Quarto de Mary” é um pensamento filosófico escrito por Frank Jackson em 1982, em seu artigo “Epiphenomenal Qualia”. Abaixo você confere uma adaptação sobre tal reflexão, seguida de complementos, meditações e algumas observações sobre o assunto.  Mary é uma cientista brilhante, que passou toda a

  • NEUROCIRURGIÃO X ASTRONAUTA:

    Por: Juliana Vannucchi Colaboração: Eduardo Faria Quando assisti ao filme “O Mundo de Sofia” (1999) pela primeira vez, um trecho curto, mas cujo diálogo é profundo, me instigou e muito chamou a minha atenção. Abaixo, vou reproduzir tais falas (que também se encontram presentes no livro homônimo no qual foi o longa foi baseado) e

  • FILOSOFIA DA MENTE – INTRODUÇÃO:

    Por: Juliana Vannucchi Colaboração: Eduardo Faria Através desse texto, vamos expor alguns dos principais problemas, linhas teóricas e pensadores que ao longo do tempo moldaram as reflexões que compõe Filosofia da Mente. Esse conteúdo poderá, dessa forma, servir tanto como “portas de entrada” para o assunto em questão ou como um norteamento para os leitores

  • O ABSURDO EXISTENCIAL EM “UMA CONFISSÃO” – TOLSTÓI:

    Por: Juliana Vannucchi Dentre muitos autores que aprecio, Tolstói é com certeza um dos meus escritores favoritos – talvez seja mesmo o grande predileto. Já inúmeros contos e livros de sua autoria e sempre adorei todas as suas obras literárias com as quais tive contato. De tudo o que li, entretanto, a que mais me

  • 2018 – UM ANO ESPECIAL PARA A FILOSOFIA:

    Por: Juliana Vannucchi Em 2018 comemora-se o bicentenário do lançamento da primeira publicação de O mundo como vontade e como representação, obra magma do filósofo Arthur Schopenhauer. A importância do referido livro é imensa e, atualmente, seu conteúdo é frequentemente discutido e abordado em ambientes acadêmicos, conferências, livros, teses e outros meios. Porém, a popularidade

  • O CONCEITO DE MEMÓRIA NA FILOSOFIA DE AGOSTINHO:

    Por: Juliana Vannucchi “É grande esta força da memória.” – Santo Agostinho Este texto visa apresentar algumas reflexões feitas por Santo Agostinho em relação à memória, e baseia-se especialmente no Livro X da obra Confissões, ao longo do qual o filósofo apresenta vários tópicos, tal como a reminiscência, o esquecimento, a felicidade, a lembrança dos

  • FILOSOFIA DA RELIGIÃO:

    Por: Juliana Vannucchi “A única certeza teológica sobre a qual encontramos um consenso quase universal entre os homens é que existe um poder invisível e inteligente no mundo“. (HUME, 2004, p. 43). A frase acima ilustra algo que há milênios está fortemente presente no cotidiano da humanidade, que é a fé em uma ou mais

  • AMOR À FILOSOFIA:

    Por: João Arruda Na investigação que Heidegger faz sobre a origem da obra de arte, ele distancia a obra de arte do apetrecho e da mera coisa; esta se distancia do apetrecho por não ter serventia e por não ser fabricada por mãos humanas, enquanto aquele, por sua vez, se distancia da obra de arte