• UMA LEITURA POSSÍVEL SOBRE O ABSURDO DE ALBERT CAMUS: ‘O ESTRANGEIRO’:

    Por: Juliana Vannucchi e Pedro Bracciali PRIMEIRA PARTE: O ABSURDO DO MUNDO: A intensidade conferida à narrativa de ‘O Estrangeiro’, pela construção de Camus, sugere ambientes vazios de paisagens e de interesse, sob um sol sempre excessivo a subir no horizonte, provocando ardência no rosto e ofuscando a visão. Seriam as lembranças trazidas da infância,

  • SCHOPENHAUER, WAGNER E NIETZSCHE – Afetos e desafetos:

    Por Juliana Vannucchi SCHOPENHAUER, WAGNER E NIETZSCHE – Afetos e desafetos: Arthur Schopenhauer, Richard Wagner e Friedrich Nietzsche. Essas três grandes personalidades deixaram ao mundo uma herança valiosa, e não importa quanto tempo se passe, as mentes dessas figuras ainda fascinam muitas pessoas. Schopenhauer influenciou Wagner e Nietzsche; estes dois, por sua vez, foram amigos

  • “Dos preconceitos dos filósofos” e a Vontade de Verdade contrapondo-se a Vontade de Potência:

    Por Dennis Monteiro “A história, a partir de Platão, é embasada num idealismo que, segundo Nietzsche, acabará negando o mundo e a vida. Assim sendo, o Platonismo é responsável por instituir uma idealização do homem que produzirá como efeito uma moral perversa que guiará os passos do conhecimento no ocidente“.   “Dos preconceitos dos filósofos”

  • ALIENAÇÃO SOCIAL:

    Por: Juliana Vannucchi Alienação social é um termo que se refere à maneira pela qual membros de uma sociedade tornam-se padronizados e perdem – ainda que parcialmente – seu senso crítico. Dessa forma, surge como consequência o “senso comum”, que é um conjunto de crenças e suposições populares edificadas a partir da falta de reflexões

  • BREVE INTRODUÇÃO AO EMPIRISMO:

    Por: Juliana Vannucchi Para compreender o Empirismo, é necessário um entendimento prévio sobre a raiz filosófica ao qual ele pertence, que chama-se “Teoria do Conhecimento”, também conhecida como “Epistemologia” ou “Gnosiologia”. Vamos, portanto, esclarecer a definição deste ramo da Filosofia para chegarmos ao ponto principal aqui proposto, que é uma introdução ao Empirismo. A Teoria do

  • OITO LUGARES PARA “BRISAR” SOBRE FILOSOFIA DA NATUREZA:

    Por: Paulo Pedroso e Juliana Vannucchi Seria a natureza criação divina, ou seria ela mesma a divindade? Esse padrão que a compõe tem assinatura própria ou se faz à sua maneira? Perfeita imperfeição ou acaso da evolução? Será que estamos nos relacionando direito com a natureza? Abaixo, selecionamos alguns dos mais belos lugares espalhados pelo

  • O SER E O NÃO-SER DE PARMÊNIDES EM DK 28 B 6 1-2:

    Por Pedro Braccia Parmênides foi um filósofo grego de Eleia (colônia grega do sul da Itália), que viveu de 530 a.C. a 460 a.C. Sua única obra conhecida, o poema “Da Natureza”, preservou-se por cópias de restauração realizadas ao longo do tempo, que chegaram até o presente na forma de fragmentos; e por isso não

  • CINCO LUGARES NO MUNDO IMPERDÍVEIS PARA QUEM GOSTA DE FILOSOFIA:

    Por: Gustavo Garrote Abaixo, compartilho com os leitores uma lista especial na qual apresento cinco pontos turísticos espalhados pelo mundo e que, com certeza, são ambientes que capazes de agradar qualquer um que se interesse por Filosofia. Claro que há vários outros locais que poderiam compor nossa seleção, mas por hora, selecionamos somente alguns. Já

  • O ‘DEVIR’ EM PARMÊNIDES NO DK 28 B 8 19-20 – PARTE II:

    Por Pedro Bracciali Há em Parmênides dois modos de conhecimento: aquele que pensa o ‘Ser’ como ele ‘é’, sendo esta a via da verdade e que acompanha a realidade; e o outro, o do ‘Não-ser’, que resulta no ignoto, no irreferenciável. A palavra grega Alethéia expressa o sentido de verdade, realidade. A partícula ‘A’ indica