• A QUESTÃO DO ABSURDO NA FILOSOFIA DE ALBERT CAMUS:

    Por: Juliana Vannucchi Se dedicarmos ao menos alguns instantes de nosso tempo para pensarmos a respeito do conhecimento humano e da maneira como, ao longo do tempo, o homem se relacionou com o mundo a sua volta, veremos que a humanidade, ainda que de maneiras distintas, desde os tempos remotos esforçou-se em atribuir um sentido

  • A CATEGORIA DO EU EM KIERKEGAARD:

    Por: Juliana Vannucchi “Um homem singular não tem, certamente, uma existência conceitual”. O existencialismo é uma corrente filosófica que popularizou-se intensamente ao longo do século XX, tendo como principais fontes de inspiração, as obras de Jean-Paul Sartre, Albert Camus e Martin Heidegger. Contudo, em meados do século XIX, o dinamarquês Søren Kierkegaard já havia registrado

  • O DESESPERO HUMANO:

    Por: João Arruda Quem há que não tenha dúvidas? Poucas ou muitas, não há quem não as tenha. Tenho somente escrito e pensado em tom interrogativo, pois é somente isso que tenho conseguido: ter dúvidas. Sou rodeado por elas, mas não as deixo serem findadas rapidamente, as deixo como companheiras que me martelam deveras. Não

  • AMOR FATI: Um convite para amar o mundo como ele é:

    Por: Juliana Vannucchi e Alessandro Olivieri     O Amor Fati (cuja tradução do latim pode ser compreendida como “amor ao destino”) é um dos principais conceitos que compõe a vasta e rica filosofia de Friedrich Nietzsche. Não há uma obra em particular na qual o pensador alemão discorra especificamente sobre este assunto, mas a expressão