• A QUESTÃO DO ABSURDO NA FILOSOFIA DE ALBERT CAMUS:

    Por: Juliana Vannucchi Se dedicarmos ao menos alguns instantes de nosso tempo para pensarmos a respeito do conhecimento humano e da maneira como, ao longo do tempo, o homem se relacionou com o mundo a sua volta, veremos que a humanidade, ainda que de maneiras distintas, desde os tempos remotos esforçou-se em atribuir um sentido

  • O SUICÍDIO NAS FILOSOFIAS DE CAMUS E DE SARTRE:

    Por: Juliana Vannucchi e Pedro Bracciali INTRODUÇÃO: O objetivo deste texto é desenvolver argumentos sobre o tema suicídio, a partir das circunstâncias que conduzem o indivíduo a cometê-lo, como fatores externos, em contraponto a decisão autônoma, sendo esta muito discutida na reflexão filosófica. Não se pretende responder o porquê dos atos cometidos de suicídio, mas

  • UMA LEITURA POSSÍVEL SOBRE O ABSURDO DE ALBERT CAMUS: ‘O ESTRANGEIRO’:

    Por: Juliana Vannucchi e Pedro Bracciali PRIMEIRA PARTE: O ABSURDO DO MUNDO: A intensidade conferida à narrativa de ‘O Estrangeiro’, pela construção de Camus, sugere ambientes vazios de paisagens e de interesse, sob um sol sempre excessivo a subir no horizonte, provocando ardência no rosto e ofuscando a visão. Seriam as lembranças trazidas da infância,