• SOBRE A REPRESENTAÇÃO:

    Por: Juliana Vannucchi Schopenhauer admite o mundo em que vivemos como uma representação, portanto, não sendo a coisa-em-si, mas sim um fenômeno, um “espelho” de sua essência primeira. Conforme Safranski comenta (2012, p. 384): “O mundo é apenas representação que faço dele. A atividade representativa abrange ambos os polos, tanto o sujeito como o objetivo”. Nada