TEORIA DO CONHECIMENTO – Introdução:

By Acervo Filosófico

Por: Juliana Vannucchi    

O conhecimento, desde sempre, integrou a vida do homem, sendo fundamental, inclusive a para a própria sobrevivência humana, afinal, podemos facilmente perceber sua aplicabilidade em nossos próprios cotidianos. Certa vez, Nietzsche escreveu: “O habitual é o mais difícil de conhecer”. Se esta frase nos servir como ponto da partida, podemos desconstruir o conhecimento daquilo que pensamos conhecer em nosso dia-a-dia, e que geralmente acreditamos ser sempre “correto” e/ou “inquestionável”. Mas será que é? Aliás, o que é conhecimento, afinal?

O Homem Vitruviano, de Leonardo da Vinci. (este desenho se encontra na Gallerie dell’Accademia).

A Filosofia possui uma disciplina que visa estudar especificamente a gênese do conhecimento, conforme Bazarin (1994, p. 31) comenta: “A Teoria do Conhecimento estuda os problemas fundamentais do conhecimento e é uma das partes essências da filosofia”. E é importante esclarecer e ter em mente que o conhecimento que esta área busca, é o da verdade, isto é: “Quando se fala em conhecimento, tem-se em vista o conhecimento da verdade, do pensamento verdadeiro, pois um conhecimento falso não é propriamente conhecimento, mas sim erro e ilusão. Mas como na realidade nem todos os nossos conhecimentos são verdadeiros, usamos em termo geral para o verdadeiro e o falso conhecimento”. (BAZARIAN, 1994, p.41). Dentro deste referido estudo, considera-se uma relação estrutural entre sujeito (aquele que percebe) e objeto (aquilo que é dado é percebido pelo sujeito). O sujeito, portanto, recebe do objeto informações provenientes dos sentidos, como, por exemplo: cheiros, sons, cores, etc. Ele as assimila em sua mente, atribui significados a elas, e formula assim uma relação com o mundo externo que consiste em conhecimento. Entretanto, é justamente na assimilação provinda desta referida conexão que surgem os problemas que desencadeiam a busca pelo conhecimento verdadeiro, pois nem sempre a maneira como o sujeito capta o mundo ao seu redor, corresponde ao mundo tal qual ele é, portanto, a filosofia buscará compreender a verdadeira fonte do conhecimento (sentido ou razão?) e investigará outros diversos aspectos fundamentais, como a definição, princípios, possibilidade, validade, essência e aquisição do conhecimento. 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA: BAZARIAN, Jacob. O Problema da Verdade: Teoria do Conhecimento. São Paulo: Alfa-Omega, 1994.

Related articles

2 Comments

  1. Reply

    Boa matéria. Mas o conhecimento não é somente o sujeito e nem objeto, mas sim ambos são verdadeiro conhecimento, porque se analisarmos bem veremos que o sujeito muitas das vezes obtém informações falsas, e o objeto tbm obtém, então pra que possamos ter um conhecimento verdadeiro, as informações cantadas dem ser usadas ao mente do sujeito para poderem ser avaliado por intelecto, daí o intelecto dirá a razão.

    1. Acervo Filosófico
      Reply

      Oi, Umar! Tudo bem? Sim, você está certo. Agradeço pela observação. Vou pontuar isso no texto. É que como se trata de um material de cunho introdutório, procurei não aprofundá-lo muito, embora a questão seja bem mais ampla e mais complexa. Um grande abraço e seja sempre bem-vindo ao Acervo!

Leave a Reply