• DIÓGENES DE SÍNOPE E OS MISTÉRIOS DA FILOSOFIA CÍNICA

    Por George Felipe Bernardes Barbosa Borges Há muito que se dizer sobre a filosofia cínica e, em especial, sobre a figura de seu maior expoente, Diógenes de Sínope, seja para aqueles que não o conhecem, para os que o conhecem pouco ou para quem o conhece demais. Diógenes é sempre um mistério. Sob suas ações

  • APONTAMENTOS SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE A FILOSOFIA E A CIÊNCIA

    Por: Juliana Vannucchi Para Arthur Schopenhauer, o mundo enquanto representação – sempre submetida ao princípio de razão – é objeto da experiência e da ciência, sendo que o estofo desta última é justamente a maneira pela qual as partes destacadas do mundo se postam diante de nós. Dessa maneira, podemos dizer que a ciência se

  • OS SONHOS DE SÓCRATES

    Por: Antonio Alves I Exausto e faminto por conta da longa viagem, Sócrates, sentou-se ao pé de uma grande árvore. Há poucos metros, a sua frente, encontrava-se o seu objetivo e o motivo por ter se posto a viajar: o Oráculo de Delfos. Não era a primeira vez que estivera ali, então, nada era novo,

  • UMA LEITURA CÍNICA SOBRE OS NOSSOS TEMPOS

    Por Juliana Vannucchi O cinismo foi um movimento filosófico que se estendeu do século IV a.C. até o século V d.C. Seu principal expoente foi Diógenes de Sinope, mais conhecido como “o Cão”, apelido esse que o acompanhou durante a vida e que, aparentemente, foi bem recebido pelo filósofo. Um dos traços mais importantes do

  • MENCIONAR VOLTAIRE É CARACTERIZAR TODO SÉCULO DEZOITO

    Por: Juliana Vannucchi Seu legítimo nome era François Marie Arouet, mas ele se tornou lendário pelo pseudônimo que adotou: Voltaire. Foi através desse pseudônimo que ele se eternizou como um excelente escritor, um notável filósofo e um dos principais representantes do Iluminismo, ao lado de Rousseau e Montesquieu. Ele era uma figura polêmica, perspicaz e

  • ARISTÓTELES: VIDA E OBRA DE UM DOS MAIORES FILÓSOFOS DA HISTÓRIA

    Por: Juliana Vannucchi Aristóteles é um dos grandes nomes da história da filosofia. Ao lado de Sócrates e Platão, se imortalizou como uma das figuras mais ilustres e importantes que já existiram. Seu pensamento atravessou os tempos, chegando até nossos dias e mostrando todo o seu brilhantismo. Não é à toa que suas obras permanecem

  • ROMANCE FILOSÓFICO: SCHOPENHAUER NO BRASIL (PARTE IV E V)

    Por: Antonio Alves Capítulo IV 3 – Julgador e moralista? Eu não…, segredos de escurinho de igreja. Há quanto tempo não entro numa igreja? Nem me lembrava como era. Não pude deixar de sentir que lá dentro havia o mesmo fedor da rua. Além disso, o cheiro da carne de terceira categoria que vinha do

  • ROMANCE FILOSÓFICO: SCHOPENHAUER NO BRASIL (PARTE III)

    Por: Antonio Alves Sim! Ele fez exatamente como no Parerga e Paralipomena, Livro 1, §98! O bicho me perseguiu por meia quadra. Subi num portão. Ele latia ferozmente em minha direção como se reivindicasse e perguntasse: “Por que me segues?”. Falei baixinho, temendo que alguém pudesse me ouvir. — Schopenhauer?… É você…? Ele não dava

  • ROMANCE FILOSÓFICO: SCHOPENHAUER NO BRASIL (PARTE II)

    Por: Antonio Alves 2- Irritabilidade, perseguição e uma lembrança sobre o velho Pitágoras  “Não bastava ter voltado num cão, tinha de ter voltado no Brasil?”. Foi o primeiro pensamento que me assolou depois que acordei do desmaio. Não era fácil de crer que era o próprio filósofo. Não, talvez não o filósofo, mas uma energia

  • ROMANCE FILOSÓFICO: SCHOPENHAUER NO BRASIL

    Por: Antonio Alves 1- Tiros, filhos e cães. O inferno é a Terra Baralho e gritaria: pessoas reunidas no bar da esquina. Um reclamava da cerveja quente, outro contava uma mentira de rio. O tamanho do peixe, a barranca desmoronando, o homem que pulou da ponte na semana passada e deu com a cabeça direto