• RENÉ GIRARD:

    por Carmo Graziosi René Noël Théophile Girard foi um filósofo e antropólogo francês. Nasceu em Avignon, em 25 de dezembro de 1923, e morreu em Stanford (Califórnia), em 4 de novembro de 2015, aos 91 anos. Filho de Joseph Girard, um arquivista-paleógrafo, René decidiu seguir os passos de seu pai: de 1943 a 1947 estudou

  • A FELICIDADE SEGUNDO EPICTETO:

    Por: Juliana Vannucchi (biografia: Carmo Graziosi) “Considera a tua vida merecedora de valor”. – Epicteto. Aspectos Biográficos: Epicteto nasceu por volta do ano 50 d.C. em Hierápolis, na Frígia. Foi levado como escravo para Roma e ficou ali a serviço de Epafrodito, um rico e influente liberto (ex-escravo) do imperador Nero. Com autorização de Epafrodito,

  • BENTO DE ESPINOSA:

    por Carmo Graziosi Bento de Espinosa, também conhecido como Baruch Spinoza ou Benedictus de Spinoza, foi um filósofo judeu holandês de origem portuguesa. Nasceu em Amsterdã em 1632, de uma rica família que havia migrado de Portugal para a Holanda para fugir da Inquisição. Na escola da comunidade judaica aprendeu o hebraico e estudou a

  • CRISE ECONÔMICA BRASILEIRA:

    No primeiro videocast do Acervo Filosófico, apresentamos um panorama sobre a atual situação da economia brasileira. Através de um breve histórico e da utilização de dados, o professor Paulo Pedroso contextualizou a atual situação econômica brasileira, e fez reflexões sobre o assunto. Entenda o que realmente está acontecendo no Brasil (tanto no âmbito político quanto

  • INTRODUÇÃO AOS PRÉ-SOCRÁTICOS:

    Por: Pedro Braccia e Juliana Vannucchi   Pré-socráticos são os filósofos que viveram no século 6º e 5º a.C., na Grécia antiga, cujo pensamento caracteriza-se pela preocupação em entender as causas e princípio do mundo e do fenômeno natural, inaugurando o que hoje conhecemos como Filosofia da Natureza. O termo “pré-socráticos” foi concebido a partir

  • LAÇOS AFETIVOS FRACOS OU FORTES:

    Por: Pedro Bracciali Em tempos pós-modernos o consumo é um imperativo marcante, que orienta a vida das pessoas para uma crescente aquisição de bens, em geral supérfluos, e que as compele para o ritual das compras, mantendo-as subjugadas por uma vontade cúmplice, por assim dizer, das carências ou necessidades humanas, tais como o prazer, o